Tenho acompanhado com estupefacção a tragicómica telenovela que tem sido o caso (ou os vários casos…) dos cartazes do PS da campanha política que ora se desenvolve em Portugal. Não poderia deixar de recomendar, a propósito, a visita à temporária your body is my body que estará aberta até 27 de Setembro no Museu Colecção Berardo, Centro Cultural de Belém. O abismo de qualidade gráfica, conceptual, experimental, entre os cartazes que podemos apreciar na exposição (datados de entre os anos 30 e 80) e os que os partidos políticos nos oferecem nos dias de hoje é confrangedor — senão mesmo doloroso. O que se passou entretanto? O que se está a passar? Eis aqui mais um assunto para reflexão urgente que se cruza, de forma particularmente sensível, com a discussão sobre os caminhos e sentidos artísticos da nossa contemporaneidade e com a tão por vezes cega contemplação de uma supostamente democrática qualificação artística e intelectual da nossa sociedade, em especial das mais novas gerações de cidadãos.